Outros assuntos que talvez você goste

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

A CABANA

     Os dois seguiam pela trilha mata a dentro. Vestiam os calções verdes de algodão junto com a camiseta polo branca do uniforme da escola. 
    Não estavam conversando por algum tempo até que Jonas reclama:
- Porra Maicon, onde você falou que era o lugar? Não chega nunca. - Jonas apresentava-se tenso. Havia suor em seu rosto. Sua respiração era quase extinta.
- Calma cara... Tudo no seu tempo.
     Maicon tentava demonstrar coragem. Era alguns meses mais velho e sentia que ter atitude de um bom líder era o que tinha que ser feito. Estava levando seu amigo a uma pequena cabana que ele mesmo havia encontrado na tarde anterior, quando não teve contato com Jonas o dia inteiro. A mata era densa e já estava quase escurecendo. Troncos colossais e brutalmente grossos, galhos que pareciam mais braços esqueléticos cruzavam o caminho. Algum barulho é escutado por Maicon próximo de onde estavam. 
- Calma Jonas, vai ficar tudo bem. Ali está a cabana, preciso te mostrar algo. - Jonas nada respondeu. Permaneceu com a sua cabeça fixamente olhando para baixo. -  Está com medo - pensou Maicon - Deveria mesmo seu merdinha. Não sabe o que te aguarda lá dentro. Seguiram para a parte da frente da cabana. 
     Quando estavam em frente a onde houve um dia uma porta de entrada, Jonas foi na frente, entrando sem exitar. Maicon abre sua mochila e tira uma brilhante e longa faca, parecia muito ser feita artesanalmente. Logo quando passou pela passagem da porta, Maicon deu de cara com o corpo de Jonas no chão. Sem olhos e degolado. Sentiu um arrepio em suas costas e uma dolorosa vontade de chorar. Tentou voltar para fora da cabana mas instateneamente, Jonas apareceu em sua frente. Sua pele estava cinza e faltavam pedaços de seus braços. Maicon encarou sem coragem alguma aqueles buracos negros e vazios, onde era para ter os olhos de seu amigo. Jonas fala lentamente:
- Meu amigo Maicon, você demorou. O que havia planejado fazer comigo, outros já fizeram. Mas eu... - Deixou escapar um pequeno sorriso - Estou na hora certa...
     A noite chegou de súbito. A mata consagrou-se com um grito aterrorizante vindo de seu interior. 
     Melhor você parar de ler essa história porque você demorou, e eu estou na hora certa...

Nenhum comentário:

Postar um comentário